O que virá Pós Covid 19 - Reflexões Iniciais Sobre Portugal


Antes de falar em oportunidades nas áreas dos negócios e investimentos em Portugal, temos a obrigação de alertar sobre um conjunto de variáveis, relativamente fora do controle dos agentes económicos. Entre muitas, destaco abaixo estas seis:

  1. Controle da pandemia: Não falo em final dela, mas sim, de um relativo controle nos novos casos, na redução significativa do número de mortos, na evolução de novos protocolos de cura e de uma segurança maior da infraestrutura hospitalar, permitindo a tão já propalada nova normalidade e a convivência com o vírus até que a vacina chegue a todos;

  2. Redução do medo: Como medida de pressão para as pessoas obedecerem ao confinamento, criou-se um clima de medo da doença nas pessoas, que veio se somar ao receio do futuro, da perda do emprego, ou declínio e fecho dos seus negócios. Não esquecer do receio que muitos têm de que este será o nosso futuro, e que teremos de aprender a conviver com ele;

  3. Recursos investidos: Que cheguem nos montantes necessários e no devido tempo. Do governo, da União Europeia, e mesmo investimento privado;

  4. Além disto, contrariando algumas opiniões mais otimistas, e mesmo que saia conforme o figurino manda, a recuperação se dará em 3 anos, nunca antes deste período. E partindo desta afirmação, entendemos que é hora de pesquisar e garimpar as oportunidades desta nova era que está a iniciar, para se ter tempo de surfar estas novas oportunidades;

  5. A recuperação do turismo pela sua importância junto ao setor de serviços e imobiliário. O turismo é um grande indutor de desenvolvimento e asua recuperação é determinante para a evolução da economia portuguesa;

  6. A retoma gradual do consumo privado.

Dito isto, temos que estar com um olho nestas variáveis e o outro nas oportunidades indicadas mais abaixo.


Desde já sugiro o acompanhamento de algumas áreas de atividade e tendências:

  1. Estudem o interior de Portugal na sua vertente agrícola, industrial, turística e habitacional;

  2. Muito vai mudar nos setores ligados ao calçado, às confecções e a outros setores industriais, nomeadamente aqueles ligados à segurança sanitária e indústria de medicamento e equipamentos hospitalares. E não só. Setores estratégicos com relação à segurança nacional também serão ativados;

  3. Creio que o Ocidente de uma forma geral, e Portugal, em particular, iniciarão um saudável processo de substituição de importações. Não é negar a globalização mas reforçar a sua segurança em produção de itens estratégicos e fortalecer a sua balança comercial;

  4. O turismo vai mudar. Já estava em processo, e pandemia apenas acelerou. Turismo de vivências, desportos radicais, trilhas ganharão força. O interior vira protagonista para o turismo interno e externo;

  5. Haverá uma reordenação do mercado imobiliário. Mudanças nos escritórios, nas casas, nos preços, nas zonas mais procuradas para investimento e moradia;

  6. Há dois fatores competitivos interessantes em Portugal em termos relativos no ambiente da UE: o custo da mão de obra e sua qualificação. Tanto a básica, quanto aquelas relacionadas à tecnologia e engenharia. Isto poderá incentivar deslocamento de produções industriais. Esta situação perdurará a medida da alta percentagem de desempregados ao fim desta pandemia;

  7. Abre-se oportunidades para as carreiras médicas e de enfermagem: Sem esquecer a engenharia ligada à medicina hospitalar e exames de rastreio

Tudo isto deverá estar sob o olhar atento dos empresários, investidores, profissionais e estudantes. É um mapa que ajudará a dar foco à procura de novas oportunidades de investimento e carreira


RL


Setúbal, 23JUN20


Caso queira investir em Portugal, em negócios, no imobiliário ou simplesmente comprar uma casa para morar, não deixe de nos contactar


Renato Leal

Business Consultant

Posts por Data

Tags